Connect with us

EXTRA NBA

Oito jogadores que podem virar as suas carreiras após esta agência livre!

Victor Oladipo é o caso mais notório de mudança de cenário.

A escolha número 2 do Draft de 2013 foi sólida, mas não de elite nas suas primeiro quatro temporadas com os Orlando Magic e Oklahoma City Thunder. Mas a troca de Paul George para Indiana desbloqueou o que estava escondido dentro de Oladipo, quando ele se transformou num All-Star e líder inquestionável da equipa.

Histórias como a dele são raras, mas certamente não são inéditas. Os Lakers desistiram de D’Angelo Russell, que rapidamente se tornou All-Star com os Brooklyn Nets antes de assinar um contrato máximo com os Golden State Warriors neste verão. Joe Ingles foi dispensado dos Clippers em 2014 antes de se tornar peça essencial dos Utah Jazz.

Então, e nesta próxima temporada, quem será?

Com tanto movimento nesta louca agência livre, muitos jogadores têm uma oportunidade de renovar as suas carreiras numa nova cidade, com um novo sistema e treinador. Por vezes, é tudo o que é preciso para os jogadores, especialmente os jovens. Aqui estão oito jogadores que poderiam dar esse salto com as suas novas equipas na temporada 2019-20 da NBA.

1º Brandom Ingram

Ingram tem potencial, não há dúvidas, no entanto, o problema é ele manter-se saudável. Mesmo numa situação turbulenta com os Lakers na última temporada, Ingram elevou os seus números para máximo de carreira ao registar média de 18.3 pontos por jogo e com uma taxa de acerto de 49.7%.

Com um novo começo em New Orleans, ele terá muito pouca pressão sobre ele, já que toda a atenção será dada ao rookie Zion Williamson. Ingram também pode ter uma hipótese de jogar mais perto do cesto, posição onde se destacou nos Lakers antes da chegada de LeBron James – nos 17 jogos que James perdeu devido a uma lesão, as médias de Ingram saltaram para 19.2 pontos [50.6%], 6.1 ressaltos e 4.1 assistências.

2º Lonzo Ball

Semelhante a Ingram, Ball perdeu tempo significativo durante as duas primeiras temporadas na Liga, por isso tem sido difícil medi-lo adequadamente. É claro que as expectativas impostas a ele pelo seu pai, foram muito prematuras. No entanto, Ball tem potencial para impactar a Liga. Fora da pressão dos Lakers, o lançamento de Ball pode ganhar outra consistência (ele melhorou de 36 para 41 por cento nos lançamentos de campo e de 30.5 para 33 por cento nos lançamentos de 3’s, na última temporada). Nos Pelicans, ele está numa equipa onde pode encaixar perfeitamente. Defensivamente, ele e Jrue Holiday compõem uma longa e robusta defesa que deve criar problemas para os adversários.

Como vimos com Ingram, jogar com LeBron apresentou desafios para Ball. Na temporada passada, o tempo de posse de Ball caiu de 5.2 minutos por jogo para 3.4 minutos.

3º Jabari Parker

Parker assinou um contrato de dois anos e $20 milhões com os Bulls na última temporada, mas o ataque nunca foi bom com Lauri Markkanen, Wendell Carter Jr. e Bobby Portis. Ele foi então negociado para os Washington Wizards, onde jogou exatamente zero minutos significativos, levando os Wizards a recusar a opção de segundo ano. Embora a defesa e o lançamento de 3’s tenham sido suspeitos, não podemos negar a produção ofensiva de Parker. Estar numa equipa jovem e empolgante, com uma visão clara, só deve ajudá-lo a desempenhar um papel significativo para uma franquia na esperança de recuperar a relevância. Ele nunca jogou ao lado de um base com a visão de Trae Young, que deve ajudá-lo a ter uma aparência muito mais limpa, em vez de ter que criar consistentemente o seu próprio jogo ofensivo.

4º Delon Wright

Wright estourou no final da temporada passada, após ter sido negociado pelos Raptors para os Memphis Grizzlies no acordo de Marc Gasol, mas foi apenas uma amostra de 26 jogos. Os Mavs contrataram-no por três temporadas para se juntar ao jovem núcleo composto por Luka Doncic e Kristaps Porzingis, onde parece que está a encaixar perfeitamente.

Delon é um defensor forte, com média de 12.2 pontos, 5.4 ressaltos e 5.3 assistências nos Grizzlies, incluíndo três triplos-duplos nos últimos 4 jogos da temporada passada. O seu lançamento de 3’s caiu na temporada transata, mas não é difícil imaginá-lo a regressar aos 36% que registou nas primeiras três temporadas na NBA.

5º Jerami Grant

Grant parece ser um ajuste absolutamente perfeito para os Denver Nuggets, que deve disputar o primeiro lugar na Conferência Oeste mais uma vez. O jogador de 24 anos melhorou bastante na temporada passado com os Thunder, aumentando a sua média de pontuação de 5.2 pontos para 10 pontos e uma taxa de acerto de 3’s de 39%. Grant é atlético e se trabalhar os cortes com Nikola Jokic, pode formar uma dupla de grande qualidade em Denver.

6º Josh Jackson

Jackson parecia bastante medíocre nas suas duas primeiras temporadas na NBA, mostrando vislumbres de produtividade, mas no geral, sem noção em ambas as extremidades do campo. Mas, ele é exatamente o tipo de jogador que pode prosperar nesta próxima temporada, considerando que ele saiu de Phoenix – que não é exatamente a melhor equipa para o desenvolvimento de jogadores. Memphis será uma das piores equipas da Liga, no entanto apostaram na antiga escolha número 4 do Draft , com 21 anos de idade, esperando que ele possa relacionar-se com os seus jovens jogadores da franquia, Jaren Jackson Jr. e Ja Morrant.

7º Bobby Portis

A equipa dos Knicks conta com 5 atacantes, mas Portis deve ser capaz de ganhar o seu espaço na Liga, apesar da quantidade de jogadores que a equipa tem na sua posição, e a razão é simples – ele consegue meter a bola no cesto. Nos Bulls, Portis começou muitos jogos a sair do banco, mas em Washington as coisas mudaram pois os seus minutos por jogos dispararam significativamente para 36, aliado a uma média de 18.7 pontos e 11.3 ressaltos, enquanto disparava a 40% de 3’s. Ele pode sair do banco com os Knicks, dada a sua redundância posicional com Julius Randle, mas Portis deve conseguir chegar perto da marca dos 30 minutos jogados na maioria das noites.

8º Isaiah Thomas

Pode parecer uma ilusão, mas é impossível não torcer pelo regresso de Thomas, que ainda não teve o impacto significativo em campo desde a temporada All-NBA em 2016-17. Com John Wall fora toda a próxima temporada, Thomas deve aproveitar a oportunidade para desempenhar um papel importante nos Wizards. O chip no ombro de Thomas aumentou para proporções gigantescas após duas temporadas repletas de lesões.

Os Wizards estão projetados para ser das piores equipas da Liga, e Thomas tem a oportunidade para voltar a relançar a sua carreira.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

More in EXTRA NBA