Connect with us

EXTRA NBA

Agência livre NBA 2019 – Os dez negócios!

Todos os anos quando chega a agência livre da NBA, temos sempre grandes negócios, no entanto, este ano foi uma autêntica bomba!

Esta foi uma das agência livres mais radicais dos últimos anos…Mas largo!

Estrelas mudaram de equipa, e com isso os candidatos ao título mudaram – uns deixaram de o ser, outros do nada, tornaram-se. Era um verão em que os grandes jogadores da NBA, os de elite, tinham o poder de alterar o curso de várias equipas para a próxima temporada (e mais longe). Foi uma offseason de drama que levou a NBA a reconsiderar algumas das suas regras no período da agência livre. Era tudo o que os adeptos queriam!

Aqui estão, 10 das melhores movimentações nesta agência livre:

1º) Kawhi Leonard decide mudar-se para os Los Angeles Clippers, levando consigo Paul George!

Muitas fontes durante a semana de autêntico suspense sobre a decisão de Kawhi, afirmavam de que seria uma corrida a dois, os Toronto Raptors, e os Los Angeles Clippers [ e não os Lakers]. Não é grande surpresa que PG tenha ido para os Clippers, tendo em conta que ele manifestava regressar para LA há alguns anos.

Durante o decorrer dos últimos dias antes da decisão de Kawhi, havia muita confiança nos escritórios dos Lakers, pois as conversas com James e Magic tinham corrido bem, e quem escolhe os Clippers? No entanto, a decisão apanhou-os um pouco de surpresa – no final, Leonard queria mesmo regressar para o sul da California, algo que os Raptors simplesmente não podiam competir, apesar de terem feito tudo certo.

A bomba foi Paul George ter sido recrutado por Leonard, e em seguida, forçar uma troca para os Clippers, na mesma noite! O MVP das Finais da NBA 2019, cativou superestrelas que também entraram na agência livre, no entanto, Kevin Durant juntou-se com Kyrie Irving nos Brooklyn Nets, e George ouviu, gostou e pediu uma troca.

Não houve fuga nenhuma pois peças críticas do escritório dos Clippers, começando com o GM Michael Winger, estava fora de Oklahoma City e conhecia o seu GM Sam Presti. Então, subitamente largam uma bomba – Assinam Kawhi Leonard como agente livre e fazem chegar também, num acordo de compra e troca, Paul George, enviando para OKC um conjunto de picks e jogadores, (fazendo com que agora a equipa de Billy Donovan esteje em reconstrução) que agora também consideram trocar Russell Westbrook.

2º) Anthony Davis é finalmente trocado para os Los Angeles Lakers

Até ao encerramento do período de trocas no início de Fevereiro, muito tentaram Davis e o seu agente Rich Paul chegar a um acordo com os Pelicans de modo a mudar-se para LA e jogar com LeBron James.

Com a entrada de David Griffin para o VP das operações de basquetebol dos New Orleans Pelicans, entrou outra mentalidade: Se os Lakers colocarem na mesa a melhor oferta, nos aceitamos. Kyrie saiu de Boston e as esperanças dos Celtics caíram, então, os Lakers tinham a melhor e assim foi, Anthony Davis muda-se para Los Angeles. Em retorno, os Pelicans recebem um conjunto de jovens jogadores, e com Zion Williamson (venceram a lotaria) constróiem uma equipa jovens de muita qualidade.

Os Lakers têm 2 dos melhores 7 jogadores da NBA, mais Kyle Kuzma, Danny Green, DeMarcus Cousins e um conjunto de veteranos interessantes. Podem não parecer uma equipa que seja muito forte na temporada regular (suscetíveis a lesões), mas se conseguem chegar com LeBron James e Anthony Davis saudáveis aos Playoffs, eles tornam-se um candidato muito sério.

3º) Kevin Durant e Kyrie Irving mudam-se para Brooklyn.

Há quatro anos, Sean Marks tomou conta do cargo de GM dos Brooklyn Nets e uma dura reconstrução para fazer na NBA. A direção anterior trocou as picks e ficaram praticamente secos para os anos seguintes. Marks fez decisões inteligentes, umas atrás das outras – encontrando Caris LeVert e Spencer Dinwiddie, trocando D’Angelo Russel e dar-lhe espaço para crescer e tornar-se All-Star – e cresce uma cultura na organização com o técnico Kenny Atkinson. Vão aos Playoffs da Conferência Este na temporada passada sem um jogador sonante na equipa.

Isso tudo impressionou Kyrie Irving e Kevin Durant o suficiente para se tornarem os dois grandes jogadores dos Brooklyn Nets. No entanto, não podem contar com KD na próxima temporada, pois recupera de uma lesão ao tendão de Aquiles, no entanto, não se deixe enganar, pois o que mudou na Conferência Este, os Nets vão ser um osso duro de roer.

4º) Jimmy Butler escolhe mudar-se para a Florida, forçando um acordo para os Heat 

Philadelphia queria ficar com Butler por vários motivos – no final dos jogos dos Playoffs da temporada passada, era ele quem tinham a bola nas mães e Ben Simmons andava a circular com ataques ao cesto. Butler, um enorme jogador que anda a divagar por equipas na NBA à procura de um local onde se sinta em casa (claramente não era Minnesota) escolhendo Miami. E os Heat também o queriam – Pat Riley e Eric Spoelstra estavam inclinados em adquirir os serviços do jogador.

Problema: Miami não tinham espaço no cap. Tinha de ser uma acordo de compra e troca e tornou-se num acordo de quatro equipa (que manda Hassan Whiteside para Portland).

Butler assina um contrato máximo com os Miami Heat e agora eles são novamente uma equipa perigosa, que certamente não vão perder muito tempo a acrescentar outra estrela.

5º) Al Horford muda para os Philadelphia 76ers

Os Sixers perderam Butler, no entanto, nem tudo foi mau. Em parte, porque acrescentam Josh Richardson que é muito bom jogador a sair do banco, aumentam espaço no cap e acrescentam Horford.

O autêntico homem que faz bem o que lhe é pedido – atira de 3’s (36%), eficácia a poste, protege o aro, joga a 4, joga a 5 para poder descansar Embiid, e consegue jogar a entrar pelos cantos. Dá um versatilidade à equipa e ajuda em fazer com que os 76ers reassinem Tobias Harris. Vai certamente manter a competividade na Conferência Este.

6º) Kemba Walker finalmente deixa Charlotte e muda-se para os Boston Celtics

Os Charlotte Horntes confundiram novamente a NBA. Eles deixaram sair Kemba Walker por nada. Porque se fosse para o deixar sair, teriam feito um acordo antes do fecho do mercado na temporada passada. Ou fazer uma jogada como os Clippers/Blaker Griffin e reassina com um contrato máximo e troca-lo ao final de 6 meses. Mas ganhar zero com a saída dele?

Isto é um ganho para Boston. Walker fez parte da Third Team All-NBA na temporada passada, carregando os Hornets com um registo de 25.6 pontos e 5.9 assistências por jogo. É o jogador que assume, sem medo, com qualidade e consistência. Apoioado com Jaylen Brown e Jayson Tatum pode vir a ser muito entusiasmante.

7º) Warriois adquirem D’Angelo Russell num acordo de compra e troca

Os Golden State Warriors não queriam ver sair Kevin Durant e não ter algo em troca, fazendo assim um bom trabalho (dentro dos possíveis). Os Warriors ganham um base All-Star em Russell, que pode dar tempo para a recuperação de Klay Thompson. Embora muitas pessoas não acreditem na compatibilidade de Curry/Russell, Golden State está comprometido a fazer com que isto funcione. Se não funcionar, eles simplesmente trocam D’Angelo.

8º) Utah Jazz adquirem Mike Conley e assinam Bojan Bogdanovic como agente livre

Pensem um pouco e olhem bem para a equipa dos Jazz… É não é? Tem qualidade para fazer muito dano na Conferência Oeste. O front office dos Jazz estavam de olho em Conley há algum tempo e conseguiram trocá-lo por Ricky Rubio, dando assim, um segundo criador e marcador de pontos a  Donovan Mitchell. Depois, Utah assinam Bogdanovic para jogar a 4 – ele defende, lança de 3’s, tem 1.98m e é um daqueles jogadores que os adeptos ainda não perceberam muito bem, mas os treinadores adoram-no. Bogdanovic registou média de 20 pontos por jogo em Indiana na temporada passada após a lesão de Victor Oladipo.

Os Jazz podem ser a segunda melhor equipa no Oeste na próxima temporada – São indiscutivelmente candidatos.

9º) Malcolm Brogdon deixa Milwaukee e vai para os Indiana Pacers

Indiana queira um upgrade – precisavam de um base e um criador de tiro ao lado de Victor Oladipo (previsão que regresse pelo Natal). Eles tem isso em Brogdon, que registou média de 15.6 pontos por jogo (42.5% de 3’s) pelos Milwaukee Bucks na temporada passada. Ele pode jogar com, ou sem bola e tem bastante versatilidade, algo que fará com que el se encaixe bem nos Pacers.

Não esquecendo que perdendo Malcolm, os Bucks perdem um peça importante na luta pela título. Mesmo mantendo o resto do núcleo, Milwaukee não acrescentou ninguém que o possa compensar no imediato (até ver).

10º) Knicks falham tudo… Mas no final, nem tão mau

A expectativa estava alta para os adeptos dos New York Knicks (incendiada pelos comentários na rádio pelo dono James Dolan), e quando Durant e Irving escolheram os Nets, e não conseguiram uma reunião com Kawhi Leonard, apareceu uma massa associativa insatisfeita. Chegou a um ponto em que o presidente da equipa, Steve Mills veio a público dizer para os adeptos terem calma, pois estão a trabalhar em algo.

E, em certa parte, ele tem razão. Os Knicks não iriam conseguir competir com os Clippers e os Nets [apesar de poder oferecer contratos máximos, não tem um roster com a mesma oferta de qualidade]. Grandes jogadores querem entrar e vencer.

Eles [Knicks] fizeram uma boa aquisição, Julius Randle e lá conseguiram fazer um conjuntos de negócios de segunda linha de maneira a poder seduzir o próxima grande agente livre. É assim que se constróiem equipas – pode ser que os Knicks tenham aprendido, e consigam ter a paciência de fazer as coisas bem.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Segue-nos no Facebook

More in EXTRA NBA